CRIA logo

Como fazer uma redação dissertativa passo a passo

Compartilhe

A redação dissertativa é exigida em diversos exames como o ENEM e vestibulares como FUVEST. Assim, como fazer uma redação dissertativa passo a passo é uma dúvida comum entre os candidatos. Não fique com dúvidas e conheça a estrutura desse gênero textual.

Os gêneros textuais surgem das necessidades humanas em um espaço sócio-histórico-cultural específico. Assim, tendo em vista que o ENEM de demais vestibulares solicitam um tipo específico de produção escrita, é preciso entender sua estrutura.

Diversos gêneros textuais podem ser do tipo dissertativo argumentativo em prosa, como um artigo de revista ou até mesmo uma carta. Entretanto, tratando-se das provas vestibulares, é comum encontrar outros gêneros discursivos.

Mas é a dissertação argumentativa que está mais presente em grandes provas como o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Então, confira como fazer uma redação dissertativa passo a passo com o CRIA. Boa leitura.

como fazer uma redacao dissertativa passo a passo
Como fazer uma redação dissertativa passo a passo — Fonte: Pexels.

O que é uma redação dissertativa?

O texto dissertativo-argumentativo é um gênero textual que demonstra se uma tese é verdadeira ou não. Desse modo, o texto não é apenas uma coleção de ideias, mas apresenta uma posição baseada em fatos relacionados ao tema solicitado.

Então, em como fazer uma redação dissertativa passo a passo, a ideia principal é que o candidato consiga defender suas ideias por meio de argumentação lógica e com embasamento teórico-científico.

De modo geral, a redação dissertativa é estruturada por uma introdução, desenvolvimento e conclusão. Veja um pouco mais sobre cada subdivisão:

Introdução:

É nesse momento que há apresentação do tema discutido e apresentação da tese — ou a posição que será defendida ao longo do texto. Além disso, o tema e sua importância podem ser debatidos na introdução.

Assim, sua estrutura interna é:

  • Apresentação do tema;
  • Contextualização;
  • Delimitação do ponto de vista;
  • Anúncio dos argumentos.

Exemplo 1 – ENEM 2018 “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”

Redação de Carolina Mendes Pereira

Em sua canção “Pela Internet”, o cantor brasileiro Gilberto Gil louva a quantidade de informações disponibilizadas pelas plataformas digitais para seus usuários. No entanto, com o avanço de algoritmos e mecanismos de controle de dados desenvolvidos por empresas de aplicativos e redes sociais, essa abundância vem sendo restringida e as notícias, e produtos culturais vêm sendo cada vez mais direcionados – uma conjuntura atual apta a moldar os hábitos e a informatividade dos usuários. Desse modo, tal manipulação do comportamento de usuários pela seleção prévia de dados é inconcebível e merece um olhar mais crítico de enfrentamento.”

Desenvolvimento:

Nos parágrafos de desenvolvimento, o candidato precisa apresentar provas que apoiam sua tese. Em geral, cada argumento é apresentado em um parágrafo único.

Assim, o autor pode embasar seus argumentos com exemplos, estatísticas, fatos históricos e citações, entre outros. Esses parágrafos ocupam maior parte da redação, sendo assim, é a mais extensa, já que é a oportunidade de demonstrar suas habilidades de raciocínio e análise.

Assim, sua estrutura interna é:

  • Tópico frasal;
  • Argumentação e exemplos;
  • Conexão com a tese;
  • Conclusão parcial;

Exemplo 2 – ENEM 2018 “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”

Redação de Carolina Mendes Pereira

Em primeiro lugar, é válido reconhecer como esse panorama supracitado é capaz de limitar a própria cidadania do indivíduo. Acerca disso, é pertinente trazer o discurso do filósofo Jürgen Habermas, no qual ele conceitua a ação comunicativa: esta consiste na capacidade de uma pessoa em defender seus interesses e demonstrar o que acha melhor para a comunidade, demandando ampla informatividade prévia. Assim, sabendo que a cidadania consiste na luta pelo bem-estar social, caso os sujeitos não possuam um pleno conhecimento da realidade na qual estão inseridos e de como seu próximo pode desfrutar do bem comum – já que suas fontes de informação estão direcionadas –, eles serão incapazes de assumir plena defesa pelo coletivo. Logo, a manipulação do comportamento não pode ser aceita em nome do combate, também, ao individualismo e do zelo pelo bem grupal.”

Exemplo 3 – ENEM 2018 “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”

Redação de Carolina Mendes Pereira

Em segundo lugar, vale salientar como o controle de dados pela internet vai de encontro à concepção do indivíduo pós-moderno. Isso porque, de acordo com o filósofo pós-estruturalista Stuart-Hall, o sujeito inserido na pós-modernidade é dotado de múltiplas identidades. Sendo assim, as preferências e ideias das pessoas estão em constante interação, o que pode ser limitado pela prévia seleção de informações, comerciais, produtos, entre outros. Por fim, seria negligente não notar como a tentativa de tais algoritmos de criar universos culturais adequados a um gosto de seu usuário criam uma falsa sensação de livrearbítrio e tolhe os múltiplos interesses e identidades que um sujeito poderia assumir.

Conclusão:

A conclusão é o último parágrafo. Por isso, o candidato retoma a tese apresentada na introdução e resume os argumentos mais importantes no desenvolvimento.

Além disso, deve-se reforçar a importância do assunto e oferecer uma síntese dos conceitos discutidos. Então, a conclusão pode incluir um questionamento ou uma sugestão de solução para um problema que foi debatido.

Entretanto, não são todas as provas que exigem uma proposta de intervenção e isso deve ser observado pelo candidato antes de iniciar a redação.

Assim, sua estrutura interna é:

  • Retomada da tese;
  • Síntese dos argumentos;
  • Proposta de intervenção;
  • Apelo à ação ou reflexão final;
  • Encerramento.

Exemplo 4 – ENEM 2018 “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”

Redação de Carolina Mendes Pereira

Portanto, são necessárias medidas capazes de mitigar essa problemática. Para tanto, as instituições escolares são responsáveis pela educação digital e emancipação de seus alunos, com o intuito de deixá-los cientes dos mecanismos utilizados pelas novas tecnologias de comunicação e informação e torná-los mais críticos. Isso pode ser feito pela abordagem da temática, desde o ensino fundamental – uma vez que as gerações estão, cada vez mais cedo, imersas na realidade das novas tecnologias – , de maneira lúdica e adaptada à faixa etária, contando com a capacitação prévia dos professores acerca dos novos meios comunicativos. Por meio, também, de palestras com profissionais das áreas da informática que expliquem como os alunos poderão ampliar seu meio de informações e demonstrem como lidar com tais seletividades, haverá um caminho traçado para uma sociedade emancipada.

Veja que, embora a aluna não tenha explicitamente destinado espaço para a síntese dos argumentos e o encerramento, é possível observar a retomada dos argumentos por meio da proposta de intervenção. Assim, o parágrafo de conclusão é encerrado de maneira natural.

Você também pode se interessar por:

Como fazer uma redação dissertativa passo a passo

A redação dissertativa é complexa e exige bastante conhecimento dos participantes de exames como ENEM e demais vestibulares. Mas esse passo a passo pode facilitar e guiar nessa jornada. Então, confira como fazer uma redação dissertativa passo a passo:

1. Leia com atenção o tema proposto

Nesse momento da prova, comece sempre pela redação. Assim, a cabeça está “fresca”, sem o cansaço pela extensão da prova. Então, leia com atenção e grife as palavras-chave essenciais dos textos motivadores.

O mais importante na redação é compreender qual é o tema proposto, visto que tangenciar a proposta ou fugir completamente dela pode zerar seu texto. Então, não pule essa etapa.

2. Organize e faça um planejamento do texto

Em seguida, planeje a redação. Defina a sua tese, ou seja, a posição central que você irá defender ou discutir no texto. Após isso, liste os principais argumentos, ideias ou pontos que você quer abordar em relação à sua tese.

Não se esqueça que a redação possui apenas 30 linhas disponíveis. Então, não escreva uma introdução com mais de 6 ou 7 linhas. E o mesmo vale para os demais parágrafos, já que se houver alguma informação fora do campo destinado à redação, ela não será corrigida.

3. Comece a introdução

A fim de entender como fazer uma redação dissertativa passo a passo, é preciso entender a sua estrutura. Então, comece com a introdução.

Para situar o interlocutor, a introdução deve mencionar o tema principal que será abordado no texto.
Além disso, esta seção deve representar cerca de 25% do tamanho total do texto.

Assim, comece pela contextualização do assunto por meio de repertório sociocultural. O final do parágrafo deve conter uma prévia de quais serão os argumentos dos parágrafos de desenvolvimento.

4. Elabore os parágrafos de desenvolvimento

Lembre-se: os argumentos necessariamente serão 2. Nem menos e nem mais, já que o espaço é bem limitado. Então, todas as ideias mencionadas na introdução devem ser desenvolvidas nessa seção do texto de forma argumentativa e opinativa.

Assim, essa subdivisão deve ter uma dimensão de aproximadamente 50% do total do texto. Aqui, o participante deve apresentar seu posicionamento. Contudo, cuidado: a opinião não deve ser expressa na primeira pessoa do singular (Eu), mas sim na terceira pessoa do plural (Nós, Eles).

5. Termine com a conclusão

A conclusão deve ser uma síntese do problema discutido, juntamente com considerações que expressam os resultados dos pensamentos expressos no texto. A sua dimensão cobre aproximadamente 25% do texto.

Na conclusão de um texto dissertativo-argumentativo, o objetivo é encontrar uma solução para o problema apresentado ao longo da dissertação. Assim, é preciso apresentar um resumo da discussão anterior.

Este resumo deve retomar a tese — ou ideia principal —, apresentar uma solução para o problema e fazer algumas observações finais.

6. Não se esqueça da proposta de intervenção

A proposta de intervenção é avaliada pela competência 5 do ENEM. Entretanto, não é uma obrigatoriedade para todos os vestibulares. Fique atento ao que propõe cada um.

De modo geral, essa competência atesta um esforço em levar o candidato a formular discursivamente maneiras de atuar, com concretude, em distintas instâncias sociais.

Então, é essencial conhecer a estrutura da proposta de intervenção. Dica extra: o agente pode ser identificados por meio de um acrônimo: o GOMIFES, isto é, governo, ONGs, mídia, indivíduos, família, escola e sociedade.

O exame de redação do ENEM exige requisitos de produção textual muito específicos que não são encontrados em nenhum outro contexto além do vestibular.

7. Revise e passe a limpo

Ufa. Passamos por muito até chegar aqui, não é? Após elaborar a redação, é hora de revisar e passar a limpo. Leia com calma e passe para a folha oficial com tranquilidade.

Embora não há grandes informações no site do INEP, as rasuras podem dificultar a leitura do seu texto pela banca corretora. Então, evite ao máximo. Mas se errar, se acalme, não é o fim do mundo.

Como é a prova de redação dissertativa do ENEM?

A primeira edição do ENEM foi em 1998 e muita coisa mudou desde então. Embora o gênero textual solicitado continue o mesmo, a proposta de redação sofreu algumas alterações. Assim, atualmente é comum que a prova ofereça textos motivadores e o tema para guiar os candidatos.

Então, os alunos têm acesso a textos de apoio para a prova de redação do ENEM, que podem incluir charges, tirinhas, infográficos, imagens, fotografias e outros recursos. Além disso, dispõe de uma frase temática, que visa definir o recorte de conteúdo exigido pela banca examinadora sobre o tema da prova.

Os textos de apoio são extensos porque são compostos de textos maiores e podem ser obtidos de várias fontes, como revistas, sites, blogs e jornais. Não é necessário citar e nem se deve copiar os textos de apoio, mas é importante fazê-los “bem uso”.

Todos os exames vestibulares, como o ENEM, são avaliados por bancas examinadoras. Assim, elas trabalham a partir de grades de correção, constituídas por padrões gerais, para que o processo de correção das redações seja justo, transparente e o mais objetivo possível.

No caso do ENEM, essa grade de correção é amplamente divulgada, sendo mais conhecidas como as 5 competências do ENEM. Então, funciona como um guia para os participantes, pois já sabem quais critérios serão avaliados na redação.

Além da estrutura da redação dissertativa, é previsto que os participantes demonstrem repertório sociocultural, bom domínio da norma culta e uma proposta de intervenção criativa.

como fazer uma redacao dissertativa passo a passo
Compreender como funciona o gênero textual dissertativo é parte essencial da vida de qualquer vestibulando — Fonte: Freepik.

Competências do ENEM:

As competências no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) são essenciais para avaliar a capacidade dos participantes em escrever textos argumentativos de alta qualidade. Assim, cada uma das cinco competências é fundamental para construir uma redação coesa e coerente.

Disponibilizadas pela cartilha de redação do ENEM, elas são consideradas na correção final da redação. Então, confira a seguir:

Competência I: “Demonstrar domínio da modalidade escrita formal”

Avalia a sua capacidade de utilizar a norma culta da língua portuguesa de forma adequada, aplicando regras gramaticais, de pontuação e ortografia.

  • 200 pontos: domínio excelente da modalidade formal da língua portuguesa. Os erros são exceções e não reincidem. 
  • 160 pontos: bom domínio da modalidade formal. Poucos desvios gramaticais ou de convenções de escrita. 
  • 120 pontos: domínio mediano da modalidade formal. Alguns erros de gramática ou de convenções de escrita. 
  • 80 pontos: domínio insuficiente da modalidade formal da língua portuguesa. Muitos erros gramaticais ou de convenções de escrita. Pode apresentar linguagem informal.
  • 40 pontos: domínio precário da modalidade formal. Erros gramaticais diversos, registro muito informal ou problemas de convenções de escrita. 
  • 0 pontos: desconhecimento da modalidade formal da língua portuguesa. 

Competência II: “Compreender a proposta da redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema”

Essa competência verifica sua habilidade de compreender o tema proposto, analisar os elementos-chave e utilizar conhecimentos adquiridos em diferentes disciplinas para construir argumentos sólidos.

  • 200 pontos: desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo;
  • 160 pontos: desenvolve o tema por meio de argumentação consistente e apresenta bom domínio do texto argumentativo-dissertativo, com proposição, argumentação e conclusão;
  • 120 pontos: desenvolve o tema por meio de argumentação previsível e apresenta domínio mediano do texto dissertativo-argumentativo, com proposição, argumentação e conclusão;
  • 80 pontos: desenvolve o tema recorrendo à cópia de trechos de textos motivadores ou apresenta domínio insuficiente do texto dissertativo-argumentativo, não atendendo à estrutura com proposição, argumentação e conclusão;
  • 40 pontos: apresenta o assunto, tangenciando o tema, ou demonstra domínio precário do texto dissertativo-argumentativo, com traços constantes de outros tipos textuais;
  • 0 pontos: fuga ao tema/não atendimento à estrutura dissertativo-argumentativa. Nestes casos a redação recebe nota zero e é anulada.

Competência III: “Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista”

Aqui, é avaliada sua capacidade de coletar informações relevantes, organizá-las de maneira lógica e construir uma linha de raciocínio sólida para defender sua tese.

  • 200 pontos: apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, configurando autoria, em defesa de um ponto de vista;
  • 160 pontos: apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, limitados aos argumentos dos textos motivadores e pouco organizados, em defesa de um ponto de vista;
  • 120 pontos: apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, limitados aos argumentos dos textos motivadores e pouco organizados, em defesa de um ponto de vista;
  • 80 pontos: apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, mas desorganizados ou contraditórios e limitados aos argumentos dos textos motivadores, em defesa de um ponto de vista;
  • 40 pontos: apresenta informações, fatos e opiniões pouco relacionados ao tema ou incoerentes e sem defesa de um ponto de vista;
  • 0 pontos: apresenta informações, fatos e opiniões não relacionados ao tema e sem defesa de um ponto de vista.

Competência IV: “Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação”

Essa competência diz respeito à sua habilidade de usar diferentes recursos linguísticos, como coesão, coerência, referências, articulação das ideias e uso de conectivos, para construir uma argumentação coesa e estruturada.

  • 200 pontos: articula bem as partes do texto e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos;
  • 160 pontos: articula as partes do texto, com poucas inadequações, e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos;
  • 120 pontos: articula as partes do texto, de forma mediana, com inadequações, e apresenta repertório pouco diversificado de recursos coesivos;
  • 80 pontos: articula as partes do texto, de forma insuficiente, com muitas inadequações e apresenta repertório limitado de recursos coesivos;
  • 40 pontos: articula as partes do texto de forma precária;
  • 0 pontos: não articula informações.

Competência V: “Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos”

Por fim, essa competência avalia sua capacidade de propor soluções para os problemas discutidos no texto, considerando os princípios de respeito aos direitos humanos e a viabilidade prática dessas propostas.

  • 200 pontos: elabora muito bem proposta de intervenção, detalhada, relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto;
  • 160 pontos: elabora bem proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada à discussão desenvolvida no texto;
  • 120 pontos: elabora, de forma mediana, proposta de intervenção relacionada ao tema e articulada com a discussão desenvolvida no texto;
  • 80 pontos: elabora, de forma insuficiente, proposta de intervenção relacionada ao tema, ou não articulada com a discussão desenvolvida no texto;
  • 40 pontos: apresente proposta de intervenção vaga, precária ou relacionada apenas ao assunto; 
  • 0 pontos: não apresenta proposta de intervenção ou apresenta proposta não relacionada ao tema ou ao assunto.

Exemplo de redação dissertativa:

Para entender como fazer uma redação dissertativa passo a passo, é preciso entender que os vestibulares visam avaliar a capacidade dos candidatos de formular argumentos sólidos, apresentar ideias coerentes e refletir sobre questões sociais e contemporâneas.

Desse modo, vamos analisar a redação da aluna Nayara do ENEM de 2022 com o tema “Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil”. A pontuação da aluna foi de 960 no total, tendo prejuízo apenas na competência I do ENEM.

analise de redacao do enem
Análise de redação do ENEM — disponibilizado por Nayara Dias da Mota.

Correção do CRIA:

Após observar a nota informada pela banca corretora, passamos a redação pelo CRIA. Assim, sabemos que a nota final nem sempre é um consenso e pode variar de corretor para corretor. No CRIA, a redação levou 920 pontos, apresentando problemas na competência I e na competência III.

analise de redacao do enem
Correção de redação por inteligência artificial — Fonte: CRIA.

Assim, seguindo esses parâmetros, a redação corrigida pode variar a nota, ou seja, pode ir de 0 a 200. Nesse caso, a redação levou 160 pontos, visto que apresenta problemas na modalidade formal da língua portuguesa.

Além disso, os pontos descontados na competência III foi considerada frágil, já que apresentou informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, limitados aos argumentos dos textos motivadores e pouco organizados, em defesa de um ponto de vista.

CRIA

Para mandar bem em qualquer vestibular ou ENEM, é preciso entender como fazer uma redação dissertativa passo a passo. É aqui que o CRIA pode te ajudar.

Mas o que é o CRIA?

CRIA é um corretor de redação por inteligência artificial que garante uma correção com grande precisão, baseando-se nas 5 competências do ENEM. E para a praticidade do estudante, a correção é entregue até 2 minutos.

Além disso, centenas de milhares de redações estão disponíveis no banco de dados do CRIA. Portanto, oferecemos ao aluno uma explicação detalhada de quais foram seus erros, como corrigi-los e porquê esse erro reduz os pontos no ENEM, com notas de zero a mil, utilizando-se como base para IA.

Após enviar sua redação para correção, o CRIA verifica se os conectivos foram usados ou não no texto. Assim, você pode ver se existe uma diversidade de elementos linguísticos e a frequência.

correcao cria
Coesão e coerência na redação do ENEM — Fonte: CRIA.

Mas, afinal, para quem é o CRIA:

  • Para os professores, visamos diminuir a sobrecarga e otimizar a gestão da turma;
  • Para os alunos, tornarmos o processo mais ágil, divertido, incentivando a prática constante.

Vamos começar? Então acesse aqui.

Esse artigo foi útil?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Lamentamos que este post não tenha sido útil pra você.

Vamos melhorar este post.

Como podemos melhorar esse post?

Mais recentes

como e a redacao da uft

Como é a redação da UFT 2024/2?

A redação da UFT segue o padrão comum de muitos vestibulares, solicitando aos candidatos que produzam um texto dissertativo-argumentativo. A avaliação é baseada em cinco competências específicas, conforme detalhado no edital da instituição.

Leia mais »