CRIA logo

Por que evitar o gerundismo na redação? Veja exemplos

Compartilhe

Você sabe por que evitar o gerundismo na redação? O uso excessivo do gerúndio pode comprometer a clareza do texto e demonstrar pouco domínio da língua culta. Assim, opte por construções verbais mais diretas e concisas.

“Aqui vai a última flor do Lácio”. Com essa frase, Freire (2001) inicia a discussão sobre um dos temas mais polêmicos da língua portuguesa no Brasil atualmente, atrás apenas da reforma ortográfica de 2009: o gerundismo.

Utilizando sempre a estrutura típica desse “vício maldito”, como ele mesmo denomina, o autor expressa toda sua indignação e irritação contra a forma de falar dos Operadores de Telemarketing ou Teleatendimento.

Segundo ele, tudo começou quando alguém precisou traduzir os manuais de atendimento por telemarketing. Pensar que “We’ll be sending it tomorrow” tem o mesmo significado que “Nós vamos estar mandando isso amanhã” foi, para ele, um equívoco que deu origem ao problema.

Quer entender melhor o que é gerundismo e por que evitar o gerundismo na redação? Continue com o CRIA e boa leitura.

por que evitar o gerundismo na redacao
Construções com gerundismo podem tornar a frase ambígua ou confusa, dificultando a compreensão do leitor sobre a ação que está sendo realizada e quando ela será concluída. – Foto: Freepik

O que é gerundismo?

Segundo o dicionário Piberam, o termo gerundismo é definido como “Uso do gerúndio considerado excessivo ou abusivo”.

Assim, o “gerundismo” é caracterizado principalmente por uma estrutura na qual o verbo “ir”, conjugado no presente do indicativo, se combina com o verbo “estar” no infinitivo e o gerúndio de outro verbo.

Você também pode se interessar por:

Exemplos de gerundismo

O gerundismo, um vício de linguagem comum na comunicação cotidiana, ocorre quando se utiliza desnecessariamente a combinação do verbo “estar” com um verbo no gerúndio, muitas vezes acompanhado de um verbo auxiliar como “ir”.

Além disso, esse uso excessivo torna as frases prolixas e menos diretas. Então, compreender e identificar exemplos de gerundismo é fundamental para aprimorar a clareza e a eficácia da comunicação, seja na escrita ou na fala.

Assim, a seguir, exploramos alguns exemplos comuns de gerundismo e como corrigi-los:

1. Ela vai começar falando tudo o que entendeu.

Para corrigir o gerundismo na frase “Ela vai começar falando tudo o que entendeu”, você pode reformular a frase de maneira mais direta. Assim, aqui está uma possível correção:

“Ela começará a falar tudo o que entendeu.”

2. Ela pode estar falando tudo o que entendeu.

Para corrigir o gerundismo na frase “Ela pode estar falando tudo o que entendeu”, você pode reformular a frase de maneira mais direta. Aqui está uma possível correção:

“Ela pode falar tudo o que entendeu.”

3. Eu vou estar sempre lembrando de você.

Para corrigir o gerundismo na frase “Eu vou estar sempre lembrando de você”, você pode reformular a frase de maneira mais direta. Aqui está uma possível correção:

“Eu sempre me lembrarei de você.”

4. Eu iria estar esperando você, caso você não me ligasse

Para corrigir o gerundismo na frase “Eu iria estar esperando você, caso você não me ligasse”, você pode reformular a frase de maneira mais direta. Aqui está uma possível correção:

“Eu estaria esperando por você, caso você não me ligasse.”

5. Isso vai estar finalizado amanhã

Para corrigir o gerundismo na frase “Isso vai estar finalizado amanhã”, você pode reformular a frase de maneira mais direta. Aqui está uma possível correção:

“Isso estará finalizado amanhã.”

Por que evitar o gerundismo na redação?

Evitar o gerundismo na redação é fundamental para garantir a clareza, a objetividade e a formalidade do texto. Assim, o gerundismo ocorre quando há o uso excessivo da combinação do verbo “estar” no futuro do presente do indicativo com o gerúndio de outro verbo, o que pode prejudicar a qualidade da escrita por diversos motivos.

Nesse sentido, o gerundismo torna o texto mais prolixo e redundante. Expressões como “vou estar falando”, “vai estar acontecendo”, “estou pensando em” poderiam ser facilmente substituídas por “falarei”, “acontecerá”, “penso em”, respectivamente, tornando a frase mais direta e concisa.

Além disso, o gerundismo pode comprometer a formalidade do texto. Em contextos mais acadêmicos, profissionais ou formais, o uso excessivo de construções com gerúndio pode dar a impressão de informalidade ou descuido no uso da língua, o que não é adequado para esses contextos.

Como mandar bem na redação do ENEM ou vestibular?

Agora que você já conferiu por que evitar o gerundismo na redação, o CRIA pode ser a ferramenta ideal para esse processo. Mas o que é o CRIA?

O CRIA é um corretor de redação por inteligência artificial que utiliza modelos de aprendizado de máquina gerados por meio de redações escritas por alunos reais e corrigidas por professores.

Além disso, o CRIA realiza previsões de notas por competência, análise de contexto na introdução, previsão de defesa de tese, previsão de fuga ao tema, previsão de intervenção, uso de parônimas e homônimas, etc.

Mas o que o CRIA faz por você?

  • Análise instantânea da redação;
  • Simulação da sua nota do ENEM por competência;
  • Identificação de desvios, todos marcados no seu texto;
  • Traz correções detalhadas por competência;
  • Histórico de progresso;
  • Fornece dados para melhorias na escrita, em texto e/ou avatar explicativo;
  • Plataforma gamificada, pode compartilhar com amigos e obter vantagens;
  • Professor olha as correções do CRIA e pode alterar conforme achar necessário, assim o CRIA sempre aprende com eles.

Vamos começar? Então acesse aqui.

Esse artigo foi útil?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Lamentamos que este post não tenha sido útil pra você.

Vamos melhorar este post.

Como podemos melhorar esse post?

Mais recentes