CRIA logo

Erros comuns de português na redação ENEM: evite!

Compartilhe

A redação do ENEM é a parte mais importante da prova. Então, conhecer os erros comuns de português na redação ENEM é fundamental para garantir nota mil. Confira agora uma lista completa com os erros comuns para você evitá-los.

O Exame Nacional do Ensino Médio é uma prova longa e complexa. Porém, com um bom planejamento de estudos é possível estar bem preparado. Assim, evitar alguns erros comuns de português na redação ENEM pode fazer grande diferença.

De maneira geral, conhecer a prova é fundamental para o candidato, principalmente as 5 competências da redação. Mas afinal, quais são os erros comuns de português na redação ENEM?

Não se preocupe, o CRIA preparou esse artigo completo com os principais erros de português que os candidatos devem evitar. Então, fique conosco até o final e boa leitura.

erros comuns de portugues na redacao do enem
Conheça os erros mais comuns de português na redação do ENEM – Fonte: Pexels

15 erros comuns de português na redação ENEM:

Dominar a norma culta língua portuguesa é fundamental para mandar bem na redação do ENEM. Então, evitar alguns erros comuns de português pode garantir uma boa pontuação na primeira competência do exame.

Então, confira agora alguns erros:

1. “Através” / “por meio”

Errado: Através da leitura, é possível expandir nossos horizontes e adquirir conhecimentos diversos.
Certo: 
Por meio da leitura, é possível expandir nossos horizontes e adquirir conhecimentos diversos.
Por quê?
 “Por meio” significa “por intermédio”. “Através de”, por outro lado, expressa a ideia de atravessar.
Exemplo: Passou através da porta.

2. “Senão” / “Se não”

Errado: Precisamos estudar, senão não conseguiremos passar na prova.
Certo: 
Precisamos estudar, não conseguiremos passar na prova
Por quê?
 “Senão” significa “a não ser”, “caso contrário”. “Se não” é usado nas orações subordinadas condicionais.
Exemplo: Se não chover, poderemos ir ao parque.

3. “Onde” / “Aonde”

Errado: Aonde estão meus livros?
Certo: 
Onde estão meus livros?
Por quê? 
“Onde” se refere a um lugar em que alguém ou alguma coisa está, indica permanência. Contudo, o termo “aonde” se refere ao lugar para onde alguém ou alguma coisa vai, indica movimento.
Exemplo: Ainda não sabemos aonde vamos jantar.

4. “A” / “há”

Errado: Estudo para a prova do ENEM a 2 anos.
Certo: 
Estudo para a prova do ENEM há 2 anos.
Por quê?
 Para indicar tempo passado, usa-se o verbo haver. Dessa forma, o termo “a”, como expressão de tempo, é usado para indicar futuro ou distância.
Exemplo: O professor mora a duas horas da escola.

5. “Há dois anos” / “Há dois anos atrás”

Errado: Há 5 anos atrás, iniciei meus estudos na USP.
Certo: 
Há duas formas corretas: “Há dois anos, iniciei meus estudos na USP” ou “Dois anos atrás, iniciei meus estudos na USP.”
Por quê? 
É redundante dizer “Há dois anos atrás”.

Você também pode gostar de:

6. “Entre eu e você” / “Entre mim e você”

Errado: Eu valorizo a amizade entre mim e você, é algo único e precioso.
Certo: 
Eu valorizo a amizade entre eu e você, é algo único e precioso.
Por quê? 
“Eu” é pronome pessoal do caso reto e só pode ser usado na função de sujeito, ou seja, antes de um verbo no infinitivo.

7. “A fim” / “Afim”

Errado: Estou estudando afim de obter um bom resultado na prova.
Certo: 
Estou estudando a fim de obter um bom resultado na prova.
Por quê? 
A locução a fim indica ideia de finalidade. “Afim” é um adjetivo e significa semelhança.
Exemplo: Ele está a fim de estudar engenharia na universidade.

8. “Chego” / “Chegado”

Errado: O professor havia chego atrasado para a aula.
Certo: 
O professor havia chegado atrasado para a aula.
Por quê?
 Embora alguns verbos tenham dupla forma de particípio (Exemplos: imprimido/impresso, frito/fritado, acendido/aceso), o único particípio do verbo chegar é chegado. Chego é 1ª pessoa do Presente do Indicativo.
Exemplo: Eu sempre chego antes da aula.

9. “Mal” / “Mau”

Errado: O trânsito estava tão congestionado que ela se sentiu mau.
Certo: 
O trânsito estava tão congestionado que ela se sentiu mal.
Por quê?
 Mal opõe-se a bem. Mau opõe-se ao bom. Assim: mal-humorado, mal-intencionado, mal-estar, homem mau.

10. “Para mim” / “Para eu” fazer

Errado: Era para mim fazer a reunião, porém estava muito nervosa.
Certo: 
Era para eu fazer a reunião, porém estava muito nervosa.
Por quê? 
“Para eu” deve ser usado quando se referir ao sujeito da frase e for seguido de um verbo no infinitivo. 

11. “Traz” / “Trás”

Errado: Ela se voltou para traz e viu seu amigo descendo a rua.
Certo: 
Ela se voltou para trás e viu seu amigo descendo a rua.
Por quê?
 Trás significa parte posterior. Em contraposição, “traz“ é a conjugação do verbo “trazer” na 3ª pessoa do singular do Presente do Indicativo.
Exemplo: Ela sempre traz lanche para a prova.

13. “Menos” ou “Menas”

Errado: Todos os alunos tiveram menas tarefas de casa hoje.
Certo: 
Todos os alunos tiveram menos tarefas de casa hoje.
Por quê?
 “Menas” não existe. Então, mesmo referindo-se a palavras femininas, use sempre menos. Ex: Havia menos professores naquela escola.

14. “Perca” / “perda”

Errado: A perca do jogo foi difícil de aceitar, mas eles continuarão se esforçando.
Certo: 
A perda do jogo foi difícil de aceitar, mas eles continuarão se esforçando.
Por quê? 
Perca é verbo e perda é substantivo.
Exemplo: Não perca as esperanças! Essa perda foi irreparável.

15. “Existe” / “Existem”

Errado: Existe diversos problemas com a educação pública.
Certo: 
Existem diversos problemas com a educação pública.
Por quê? 
O verbo existir admite plural, diferente do verbo haver, que é impessoal.

Por que é importante ter boa gramática para a redação do ENEM?

De modo geral, a redação representa uma parte significativa da nota final do exame. Por isso, uma escrita com erros gramaticais pode comprometer a compreensão e a clareza das ideias, o que pode resultar em uma pontuação mais baixa.

Assim, ter uma boa gramática facilita a compreensão do leitor do seu texto. Além disso, não compromete pontos como coesão e coerência da redação.

Ainda, outro ponto importante é que uma boa escrita reflete nas habilidades de escrita e domínio da língua portuguesa, o que é valorizado tanto no contexto acadêmico quanto profissional.

O que mais não posso errar na redação do ENEM?

Ficou claro que ter um bom domínio da língua portuguesa escrita é crucial para ter um resultado final satisfatório, não é? Porém, além desses erros comuns de gramática, é preciso estar atento a outros erros que o candidato pode cometer. Assim, são eles:

Como minimizar erros comuns de português na redação ENEM com o CRIA

O CRIA é uma plataforma de correção de redação por inteligência artificial que corrige a sua redação seguindo as 5 competências do ENEM. Assim, a primeira competência basicamente trata do “Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa”.

Além disso, o CRIA é o resultado de anos de pesquisa e desenvolvimento, para entregar o algoritmo ideal, que analisa com grande precisão em até 2 minutos redação do aluno.

Afinal, o CRIA é composto por um banco de dados com centenas de milhares de redações. Assim, desde zeradas até aquelas com nota mil, utilizamos como base para nossa IA entregar.

Quer uma descrição detalhada de onde errou, como pode arrumar e o porquê tal erro gera desconto de pontos no ENEM? Então, não se preocupe — o CRIA te proporciona.

E para que é destinada à plataforma CRIA?

  • Para os professores, visamos diminuir a sobrecarga e otimizar a gestão da turma. 
  • Para os alunos, tornarmos o processo mais ágil, divertido, incentivando a prática constante.

Gostou? Então comece agora.

Esse artigo foi útil?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Lamentamos que este post não tenha sido útil pra você.

Vamos melhorar este post.

Como podemos melhorar esse post?

Mais recentes

como e a redacao da uft

Como é a redação da UFT 2024/2?

A redação da UFT segue o padrão comum de muitos vestibulares, solicitando aos candidatos que produzam um texto dissertativo-argumentativo. A avaliação é baseada em cinco competências específicas, conforme detalhado no edital da instituição.

Leia mais »