CRIA logo

Dia internacional da Mulher: história e conquistas!

Compartilhe

O Dia Internacional da Mulher celebra as realizações, conquistas, feitos e as lutas enfrentadas por todas as mulheres. Confira sua importância!

O Dia Internacional da Mulher é comemorado em muitos países ao redor do mundo. Trata-se de uma data em que as mulheres são reconhecidas pelas suas realizações, conquistas e feitos, independente de divisões nacionais, étnicas, linguísticas, culturais, econômicas ou políticas.

Desde os primeiros anos desde sua definição oficial, o Dia Internacional da Mulher assumiu uma nova dimensão global para as mulheres, tanto nos países desenvolvidos como nos países em processo de desenvolvimento.

Assim, o crescente movimento internacional de mulheres, fortalecido por quatro conferências globais de mulheres das Nações Unidas, ajudou a tornar a comemoração num ponto de encontro para construir apoio aos direitos das mulheres e à participação nas arenas política e econômica.

Então, se você quer saber mais dobre o Dia internacional da Mulher, continue com o CRIA. Boa leitura.

dia internacional da mulher
A data de comemoração do Dia Internacional da Mulher é marcada por homenagens às conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres ao longo da história – Foto: Freepik.

Dia internacional da Mulher: histórico

O Dia Internacional da Mulher é comemorado todos os anos em 8 de março, considerado um dia especial para as mulheres em todos os lugares há mais de um século.

Desse modo, confira a trajetória do histórico das conquistas femininas ao longo dos anos.

Você também pode se interessar por:

1908

Grande agitação e debate crítico ocorriam entre as mulheres. Assim, a opressão e a desigualdade enfrentadas diariamente estimularam as mulheres a tornarem-se mais vocais e ativas nas campanhas pela mudança.

Então, em 1908, 15 mil mulheres marcharam pela cidade de Nova Iorque exigindo redução na carga de trabalho diária, melhores salários e direitos de voto.

Foto: Internacional Women’s Day

1909

De acordo com uma declaração do Partido Socialista da América, o primeiro Dia Nacional da Mulher (NWD) foi comemorado nos Estados Unidos em 28 de fevereiro. Assim, as mulheres continuaram a celebrar o Dia Nacional das Mulheres no último domingo de fevereiro até 1913.

1910

Em 1910, uma segunda Conferência Internacional de Mulheres Trabalhadoras foi realizada em Copenhague. Então, uma mulher chamada Clara Zetkin (Líder do “Gabinete da Mulher” do Partido Social Democrata na Alemanha) apresentou a ideia de um Dia Internacional da Mulher.

Desse modo, ela propôs que todos os anos, em todos os países, houvesse uma celebração no mesmo dia – o Dia da Mulher – para pressionar as autoridades e outras formas de poder pelas suas reivindicações.

A conferência reuniu mais de 100 mulheres de 17 países, representando sindicatos, partidos socialistas, clubes de mulheres trabalhadoras, incluindo as três primeiras mulheres eleitas para o parlamento finlandês.

Assim, saudou-se a sugestão de Zetkin com aprovação unânime e assim o Dia Internacional da Mulher foi o resultado.

1911

Na sequência da decisão acordada em Copenhague, na Dinamarca, em 1911, o Dia Internacional da Mulher foi homenageado pela primeira vez na Áustria, na Dinamarca, na Alemanha e na Suíça, em 19 de março.

Mais de um milhão de mulheres e homens participaram em comícios do Dia Internacional das Mulheres em campanha pelos direitos das mulheres ao trabalho, ao voto, à formação, ao exercício de cargos públicos e ao fim da discriminação.

No entanto, menos de uma semana depois, em 25 de março, o trágico “Incêndio do Triângulo” na cidade de Nova Iorque ceifou a vida a mais de 140 mulheres trabalhadoras. A maioria delas eram imigrantes, italianas e judias.

Então, este acontecimento desastroso chamou significativamente a atenção para as condições de trabalho e a legislação laboral nos Estados Unidos, tornando-se foco dos eventos subsequentes do Dia Internacional da Mulher. Além disso, 1911 também viu a campanha feminina Pão e Rosas.

1913-1914

Às vésperas da Primeira Guerra Mundial, em campanha pela paz, as mulheres russas celebraram o seu primeiro Dia Internacional da Mulher em 23 de fevereiro, o último domingo de fevereiro.

Após discussões, foi acordado que o Dia Internacional da Mulher seria marcado anualmente em 8 de março, o que se traduz no calendário gregoriano amplamente adotado a partir de 23 de fevereiro – e este dia continua sendo a data global para o Dia Internacional da Mulher desde então.

Em 1914, outras mulheres em toda a Europa realizaram manifestações para fazer campanha contra a guerra e para expressar a solidariedade das mulheres.

Por exemplo, em Londres, no Reino Unido, houve uma marcha de Bow até Trafalgar Square em apoio ao sufrágio feminino em 8 de março de 1914. Sylvia Pankhurst foi presa em frente à estação Charing Cross a caminho de falar em Trafalgar Square.

1917

No último domingo de fevereiro, as mulheres russas iniciaram uma greve por “Pão e Paz” em resposta à morte de mais de 2 milhões de soldados russos na Primeira Guerra Mundial.

Assim, a data em que a greve das mulheres começou foi domingo, 23 de fevereiro, no calendário juliano então em uso na Rússia. Este dia no calendário gregoriano em uso em outros lugares era 8 de março.

1975

O Dia Internacional da Mulher foi assinalado pela primeira vez pelas Nações Unidas em 1975. Depois, em dezembro de 1977, a Assembleia Geral adotou uma resolução proclamando o Dia das Nações Unidas para os Direitos da Mulher e a Paz Internacional.

A ser observado em qualquer dia do ano pelos Estados-Membros, de acordo com suas tradições históricas e nacionais.

1996

A ONU anunciou o seu primeiro tema anual “Celebrando o passado, planejando o futuro”, que foi seguido em 1997 com “Mulheres à mesa da paz”. Em 1998 com “Mulheres e Direitos Humanos”, em 1999 com “Mundo Livre de Violência Contra Mulheres”, e assim por diante a cada ano.

2000

No novo milênio, havia pouca atividade dominante no Dia Internacional da Mulher na maioria dos países. Além disso, o mundo seguiu em frente e, em muitas esferas, o feminismo não era um tema popular.

Então, era necessário algo para reacender o Dia Internacional da Mulher, dando-lhe o respeito merecido e para sensibilizar as massas.

Então, havia trabalho urgente a fazer – as batalhas não foram vencidas e a paridade de gênero ainda não fora alcançada. Além disso, havia uma forte necessidade de envolver as massas dominantes e de encorajar e apoiar a ação colectiva.

2011

Nesse ano, 2011 assistiu ao centenário do Dia Internacional da Mulher – com o primeiro evento IWD realizado há exatamente 100 anos, em 1911, na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça.

Nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama proclamou março de 2011 como o “Mês da História da Mulher”, apelando aos americanos para assinalarem o Dia Internacional das Mulheres refletindo sobre “as realizações extraordinárias das mulheres” na formação da história do país.

A então Secretária de Estado, Hillary Clinton, lançou a “Iniciativa 100 Mulheres: Empoderando Mulheres e Meninas por meio de Intercâmbios Internacionais”.

No Reino Unido, a famosa ativista Annie Lennox liderou uma marcha por meio de uma das pontes icônicas de Londres, sensibilizando para o apoio à instituição de caridade global Women for Women International.

Além disso, muitas celebridades e líderes empresariais apoiam ativamente o Dia internacional das Mulheres. Então, estava finalmente começando a se tornar mais popular e inclusivo, com a participação de grupos de todos os lugares.

2024 e futuro

O mundo testemunhou uma mudança significativa e uma mudança de atitude nas ideias das mulheres e da sociedade sobre a igualdade e a emancipação das mulheres.

Muitas das gerações mais jovens podem sentir que todas as batalhas foram vencidas pelas mulheres, enquanto muitas feministas da década de 1970 e além conhecem muito bem a longevidade e a complexidade enraizada do patriarcado.

Com mais mulheres nos conselhos de administração, maior igualdade nos direitos legislativos e uma maior massa crítica da visibilidade das mulheres como modelos impressionantes em todos os aspectos da vida, poderia-se pensar que as mulheres conquistaram a verdadeira igualdade.

O fato lamentável é que as mulheres ainda não recebem remunerações iguais à dos seus homólogos masculinos, as mulheres ainda não estão presentes em números iguais nos negócios ou na política e, mundialmente, a educação, a saúde das mulheres e a violência contra elas são piores do que as dos homens.

No entanto, grandes melhorias ocorreram. Temos mulheres, astronautas e primeiras-ministras. Embora ainda seja um desafio em muitos países, elas são tem amplo acesso à universidade e podem ocupar locais acadêmicos, podem trabalhar enquanto equilibram as necessidades de uma família e podem ter e fazer escolhas reais.

E assim, todos os anos, o mundo inspira as mulheres e celebra as suas conquistas. O Dia Internacional da Mulher é feriado oficial em muitos países, incluindo Afeganistão, Armênia, Azerbaidjão, Bielorrússia, Burquina Faso, Camboja, China (apenas para mulheres), Cuba, Geórgia, Guiné-Bissau, Eritreia, Cazaquistão, Quirguistão, Laos, Madagáscar (apenas para mulheres).

Assim, a tradição faz com que os homens homenageiem suas mães, esposas, namoradas, colegas, etc. com flores e pequenos presentes. Em alguns países, o Dia Internacional da Mulher tem o estatuto equivalente ao Dia das Mães, onde as crianças dão pequenos presentes às mães e avós.

Mulheres na política brasilera

Em 1933, as mulheres participaram das primeiras eleições no Brasil. Foi no ano seguinte ao Código Eleitoral de 1932, que concedeu o direito feminino de votar (há 90 anos atrás).

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, em 1997, a Lei das Eleições exigia ao menos 20% de candidaturas para cada sexo.

Então, a lei estabeleceu um mínimo de 30% para as eleições subsequentes. O TSE já determinou em 2018 que os partidos políticos devem destinar pelo menos 30% dos recursos do Fundo Partidário ao financiamento de campanhas de candidatas.

Lei Maria da Penha

Segundo a Agência Senado, a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) tornou as punições mais severas para agressões contra mulheres no âmbito doméstico e familiar

No dia 22 de setembro de 2006, implementaram-se novas regras e o primeiro caso de prisão ocorreu no Rio de Janeiro, em que um homem tentou estrangular sua mulher.

Nesse sentido, o nome da lei é uma homenagem a Maria da Penha Maia. Durante seis anos, ela foi agredida pelo marido até se tornar paraplégica em 1983, após um atentado com arma de fogo.

Mulheres inspiradoras

Desde tempos imemoriais, as mulheres têm desafiado as normas sociais, enfrentado adversidades e inspirado gerações inteiras com sua resiliência, determinação e conquistas notáveis.

Além disso, ao longo da história, inúmeras têm deixado sua marca em diversas áreas, quebrando barreiras, defendendo direitos e promovendo mudanças significativas em suas comunidades e no mundo.

Então, confira abaixo algumas de milhões de mulheres inspiradoras:

Anne Sullivan (1866 – 1936)

Anne Sullivan foi uma educadora americana conhecida por ser a professora e companheira de Helen Keller, uma renomada autora e ativista famosa por superar a surdocegueira desde a infância.

Assim, a educadora nasceu em 14 de abril de 1866 em Massachusetts, nos Estados Unidos. Ela própria enfrentou desafios de visão e saúde na infância, incluindo uma forma de tracoma que a deixou parcialmente cega.

Em 1887, Anne Sullivan foi contratada para ser a tutora de Helen Keller, uma menina surdocega de 6 anos. Sullivan ficou conhecida por sua dedicação e paciência ao ensinar Helen a se comunicar usando sinais manuais.

Desse modo, ela desenvolveu um sistema de comunicação tátil usando alfabeto manual que permitiu a Helen aprender a ler, escrever e se expressar verbalmente.

Nise da Silveira (1905 – 1999)

Nise da Silveira foi uma psiquiatra brasileira conhecida por suas contribuições significativas para o campo da saúde mental.

Além disso, foi uma das pioneiras no uso da arte como terapia para pacientes psiquiátricos, desafiando as práticas convencionais de tratamento na época. Ela acreditava na importância da expressão artística na cura e na compreensão da mente humana.

Por fim, ela fundou o Museu de Imagens do Inconsciente no Rio de Janeiro, local de preservação e estudo dos trabalhos artísticos dos pacientes como parte do processo terapêutico.

Carolina Maria de Jesus (1914-1977)

Carolina Maria de Jesus foi uma escritora brasileira nascida em 14 de março de 1914 e falecida em 13 de fevereiro de 1977. Ela é amplamente conhecida por seu livro “Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada”, publicado em 1960.

Nascida em uma família pobre, Carolina viveu na favela do Canindé, em São Paulo. Assim, foi ali que trabalhou como catadora de papelão e escreveu diariamente em cadernos encontrados no lixo. Neste cenário, o jornalista Audálio Danta descobriu seu diário, que se tornou um sucesso literário e vendeu milhares de cópias, sendo traduzido para várias línguas.

Dessa forma, “Quarto de Despejo” oferece um olhar poderoso e comovente sobre a vida na pobreza urbana e a luta diária pela sobrevivência no Brasil dos anos 1950.

Além disso, Carolina Maria de Jesus foi uma das primeiras escritoras brasileiras a retratar a realidade das favelas e a pobreza urbana. Sua obra é reconhecida como uma importante contribuição para a literatura brasileira.

Maria da Penha (1945- )

Maria da Penha Maia Fernandes é uma figura emblemática na luta pelos direitos das mulheres e no combate à violência doméstica no Brasil.

Afinal, sua história pessoal e sua coragem em enfrentar a violência que sofreu tornaram-se um símbolo de resistência e mobilização para a mudança social.

Maria da Penha protagonizou uma batalha jurídica histórica para a punição legal seu agressor. E, posteriormente, sua experiência deu origem à Lei Maria da Penha, uma legislação pioneira que visa proteger as mulheres contra a violência doméstica e familiar.

Aprimore sua escrita com o CRIA

Agora que você já sabe mais sobre o Dia internacional da Mulher, o CRIA pode ser a ferramenta ideal para esse processo. Mas o que é o CRIA?

Projetado para ser um corretor de redações baseado em inteligência artificial e processamento de linguagem natural, o CRIA é uma ferramenta útil e simples de utilizar.

Assim, ele utiliza modelos de aprendizado de máquina gerados por meio de redações escritas por alunos reais e corrigidas por professores.

Através do modelo, o CRIA realiza previsões de notas por competência, análise de contexto na introdução, previsão de defesa de tese, previsão de fuga ao tema, previsão de intervenção, uso de parônimas e homônimas, etc.

Quais são as funcionalidades do CRIA?

  • Análise instantânea da redação;
  • Simulação da sua nota do ENEM por competência;
  • Identificação de desvios, todos marcados no seu texto;
  • Traz correções detalhadas por competência;
  • Histórico de progresso;
  • Fornece dados para melhorias na escrita, em texto e/ou avatar explicativo;
  • Plataforma gamificada, pode compartilhar com amigos e obter vantagens;
  • Professor olha as correções do CRIA e pode alterar conforme achar necessário, assim o CRIA sempre aprende com eles.
O CRIA, uma ferramenta de correção de redações com inteligência artificial, te ajuda a praticar para o ENEM — Vídeo: Reprodução.

Acompanhe seu progresso

Após enviar as redações, é possível acessar outra ferramenta disponível para os alunos do CRIA: o gráfico com histórico de pontuação.

Assim, por meio dele, é possível visualizar de maneira clara as competências que precisam de mais atenção.

grafico de correcao de redacao interativo
Gráfico de correção de redação interativo — Foto: CRIA.

A quem o CRIA se destina?

  • Para os professores, visamos diminuir a sobrecarga e otimizar a gestão da turma;
  • Para os alunos, tornarmos o processo mais ágil, divertido, incentivando a prática constante.

Vamos começar? Então acesse aqui.

Esse artigo foi útil?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Lamentamos que este post não tenha sido útil pra você.

Vamos melhorar este post.

Como podemos melhorar esse post?

Mais recentes

como e a redacao da uft

Como é a redação da UFT 2024/2?

A redação da UFT segue o padrão comum de muitos vestibulares, solicitando aos candidatos que produzam um texto dissertativo-argumentativo. A avaliação é baseada em cinco competências específicas, conforme detalhado no edital da instituição.

Leia mais »